Senta que lá vem a História

Ontem assisti a seleção dos candidatos ao novo Temporada de Moda Capricho. Esse é o tipo de programa que vejo escondida do namorado já que não tenho mais idade pra isso (não nasci nos anos 90), mas acho interessante ver esse boom da moda. É um tal de blog, é uma tal de demostração de looks do dia, é um tal de streetstyle… Inclusive nesse sábado estreou um programa na Band nos moldes do Project Runway, o Projeto Fashion. Voltando a Capricho, como as próprias diretora criativa Adriana Yoshida e Tatiana Schibuola, diretora de redação, observaram, falta conteúdo. Foi muito bem observado o argumento de que é uma geração em que moda é igual a consumo, óbvio que com suas exceções. E daí que eu aconselho ler. Background nunca é demais. Você confiaria num advogado que não tem profundidade de conhecimento? Pois pra dominar, tem que conhecer. Bom senso estético é essencial, mas referência é fundamental. Quem lê até diz que sou o Matusalém da Moda, uma enciclopédia do conhecimento, mas poxa, essa é mais uma defesa pela conteudolazição da Moda! =D

Puxando a corda pro lado do Brasil,  foi lançado há poucos meses o livro “História da moda no Brasil”  pelo o historiador da moda João Braga e o jornalista e escritor Luís André do Prado. Eu sentia muita falta desse tipo de referência na hora de fazer trabalhos ou mesmo pesquisar. Ainda não tive a oportunidade de comprar, mas fico segura por saber que o material foi amplamente pesquisado. E fica a dica:

História da Moda no Brasil – das influências às autorreferências (R$ 120, 642 páginas, Pyxis Editorial)