Vídeo de domingo

Domingo agora é dia de vídeo por aqui. Não tínhamos assistido até hoje o videoclipe da Marisa Monte com o Anderson Silva. Ótima mistura e ponto super-extra pra performance do Spider que já é uma estrela nacional. Ficamos felizes pela expansão do esporte representado por ele e esperamos que seja assim daqui pra frente: que outras categorias tenham espaço e grandes referências surjam no karatê, no handebol e etc.

Anúncios

Hoje é sexta…

… dia de sambar na cara da segunda

A Rosa

Chico Buarque

Arrasa o meu projeto de vida
Querida, estrela do meu caminho
Espinho cravado em minha garganta
Garganta
A santa às vezes troca meu nome
E some

E some nas altas da madrugada
Coitada, trabalha de plantonista
Artista, é doida pela Portela
Ói ela
Ói ela, vestida de verde e rosa

A Rosa garante que é sempre minha
Quietinha, saiu pra comprar cigarro
Que sarro, trouxe umas coisas do Norte
Que sorte
Que sorte, voltou toda sorridente

Demente, inventa cada carícia
Egípcia, me encontra e me vira a cara
Odara, gravou meu nome na blusa
Abusa, me acusa
Revista os bolsos da calça

A falsa limpou a minha carteira
Maneira, pagou a nossa despesa
Beleza, na hora do bom me deixa, se queixa
A gueixa
Que coisa mais amorosa
A Rosa

Ah, Rosa, e o meu projeto de vida?
Bandida, cadê minha estrela guia
Vadia, me esquece na noite escura
Mas jura
Me jura que um dia volta pra casa

Arrasa o meu projeto de vida
Querida, estrela do meu caminho
Espinho cravado em minha garganta
Garganta
A santa às vezes me chama Alberto
Alberto

Decerto sonhou com alguma novela
Penélope, espera por mim bordando
Suando, ficou de cama com febre
Que febre
A lebre, como é que ela é tão fogosa
A Rosa

A Rosa jurou seu amor eterno
Meu terno ficou na tinturaria
Um dia me trouxe uma roupa justa
Me gusta, me gusta
Cismou de dançar um tango

Meu rango sumiu lá da geladeira
Caseira, seu molho é uma maravilha
Que filha, visita a família em Sampa
Às pampa, às pampa
Voltou toda descascada

A fada, acaba com a minha lira
A gira, esgota a minha laringe
Esfinge, devora a minha pessoa
À toa, a boa
Que coisa mais saborosa
A Rosa

Ah, Rosa, e o meu projeto de vida?
Bandida, cadê minha estrela guia?
Vadia, me esquece na noite escura
Mas jura
Me jura que um dia volta pra casa

Mairália da Vila

Confesso ter confundido a voz de Maíra de Freitas com de sua irmã Martinália, ao ouvir no rádio a regravação da música que já apareceu aqui, Recado, do Gonzaguinha. Aliás, achei parecido, mas não igual! A também filha de Martinho da Vila, apesar da brincadeira do título do post, tem um estilo totalmente próprio, com uma delicadeza erudita diferente da malandragem do pai e irmã. E Maíra toca muito (bem) piano! Estudou desde criança e seguiu carreira acadêmica nisso, tendo se apresentado até mesmo no Theatro Municipal do Rio e em outras grandes salas da cidade. O mais bacana é que a erudição se mistura ao popularzão, como mostra a versão do “Show Tem que Continuar”, jazzy mas motivado pela cerveja do sambão. Quer entender? Então dá uma olhada/ouvida!

Este slideshow necessita de JavaScript.